Tradwives: as 'influenciadoras' que deixam seus empregos para cuidar da casa - Fashion Trends
Moda

Tradwives: as ‘influenciadoras’ que deixam seus empregos para cuidar da casa

7 de fevereiro de 2024

Tradwives

Tradwives: Cozinhar, limpar, levar as crianças à escola e aprender a tricotar. O regresso ao passado é o presente e o futuro das mulheres que voluntariamente decidiram dedicar o tempo inteiro à família. Claro, ao mesmo tempo que vendem produtos caseiros e um discurso ultraconservador que já conta com muitas adeptas.

Para definir o conceito de Tradwives (esposas tradicionais), o melhor é recorrer a uma imagem: Betty Draper (a icônica dona de casa da série Mad Men interpretada por January Jones) vestida com uma camisola branca angelical e com um cigarro na boca, atirando com espingarda nos pássaros que ousavam vagar pelo seu quintal.

A mulher perfeita, um cruzamento entre Grace Kelly e Doris Day, tornou-se vítima do seu destino não escolhido. Betty Friedman já falou sobre esta gaiola dourada com móveis de design e o último modelo de forno microondas em sua obra The Feminine Mystique, onde definiu com grande precisão o lado oculto das donas de casa que até os anos cinquenta do século passado não haviam escolhido ser.

A incorporação das mulheres ao mercado de trabalho modificou o desenho de uma sociedade que até então funcionava como um relógio suíço, com os seus pontos de fuga, claro.

As pessoas bebiam das onze da manhã às onze da noite, até fumavam na cama, começaram a ir ao psicólogo e apesar do acabamento brilhante dos aparadores e das casas de sonho nos subúrbios – com jardim e piscina – tinham a sensação que algo não estava certo.

Mãos trêmulas e estranhas explosões de raiva levaram à emancipação de algumas donas de casa que, como acontecia no mundo, não conseguiam nem abrir uma conta bancária. A decisão do que queriam ser estava em suas mãos pela primeira vez na história e, claro, nada mais foi como antes.

O que são Tradwives?

É difícil acreditar que em 2024 alguém considere se esses direitos conquistados (o direito de escolha, sobretudo) foram benéficos para as mulheres, como questionam as Tradwives de 2024: um grande grupo de influenciadoras que decidiram abandonar os seus empregos mal remunerados ou empregos não remunerados, voltar para casa, para o marido e os filhos, e dedicar todo o seu tempo para isso.

A dedicação que outrora caracterizou a matriarca do clã recuperada pelas filhas da primeira e segunda geração de mulheres que trabalhavam e cuidavam da família ao mesmo tempo. Seu discurso é claro e conciso: saímos para o mercado de trabalho e não gostamos do que vimos.

Empregos mal remunerados que exigem muitas horas de trabalho e nos dão pouco tempo para nos dedicarmos às nossas famílias. Ter um filho requer tempo e dinheiro, e não temos nenhum dos dois. E o pior de tudo é que alguém disse “sim, isso pode ser feito”. Ou seja, além das dificuldades que as mães enfrentam ao ingressar no mercado de trabalho, há também a pressão individual que a sociedade capitalista exerce sobre cada um de nós: você pode fazer tudo e se não conseguir, a culpa é sua.

RECOMENDADO: Como Arrumar a Casa: Cronograma para facilitar a limpeza

As Tradwives clássicas

O movimento Tradwife baseia-se também em outro fator: tempos incertos em que a ansiedade produzida por um futuro pouco promissor nos convida a regressar a casa, o lugar seguro por excelência. A chegada da pandemia em 2020 e a confirmação de que tudo pode acabar a qualquer momento, sem dúvida, repercutiu nas mães que se questionavam no que passavam a maior parte do tempo e porquê.

Alena Kate Pettitt, autora do blog The Darling Academy, é uma das divulgadoras das tradwives e principal divulgadora de sua doutrina. Na verdade, Alena culpa a mensagem de uma mulher libertada em séries como Sex and the City por nos ter convencido de que a felicidade estava nas compras, no sexo grátis, no trabalho, nos jantares e nas viagens.

Ela começou seu ativismo nesse movimento conservador e puritano secretamente e em resposta à bem-sucedida série Darren Star, cujo discurso, aliás, é estranhamente anacrônico em 2024: Ninguém quer mais ser Carrie Bradshaw. Mas Alena Kate também conta à The Darling Academy que já foi uma das muitas mães britânicas que tentou conseguir tudo até decidir acabar com a ansiedade e focar em um único propósito: cuidar da família e da casa em tempo integral.

No referido blog há inúmeros artigos que vão desde como preparar um cardápio semanal até como abraçar a religião católica, passando por conselhos “modernos” para satisfazer o marido na cama.

Outras influenciadoras desta doutrina, como Estee Williams, levam o discurso um pouco mais longe e beiram a caricatura. Esta jovem da Virgínia que também deixou o emprego para se dedicar de corpo e alma ao trabalho de esposa compartilha vídeos “divertidos” nos quais mostra como se prepara para a chegada do marido ou dá conselhos interessantes sobre como atrair um homem que mantém você.

A estética praticada pela Estee é 100% inspirada nas tendências do final dos anos cinquenta do século passado: vestidos florais hiperfemininos, muita maquiagem, penteado pin- up. A ideia é parecer sempre atraente e sexy para que o marido não perca o interesse (principalmente sexual) pela esposa.

Sentir ansiedade também não é permitido, assim como compartilhar problemas ou desconfortos. Uma tradwife está ali apenas para ouvir e agradar seu companheiro de vida. Estee também convida as meninas que seguem seu Instagram a não presumirem que a faculdade é o próximo passo lógico, ser dona de casa trará muito mais benefícios pessoais.

Tradwives Modernas

O discurso hiperconservador e puritano, e esteticamente algo rançoso, transmitido por influenciadoras como Estee Williams ou a francesa Hannah Gas através da sua conta Learn Good Manners tem outro aspecto mais atual, mais desejável e, portanto, mais perigoso.

Nara Azia, esposa do supermodelo Lucky Blue, não só compartilha com vocês uma deliciosa receita de donuts caseiros, como também vende a badalada Stanley Cup e edita um vídeo perfeito do que ela come por um dia (uma das tendências de maior sucesso no TikTok e Instagram).

Ela é uma tradwife “moderna” no sentido de que envolve o seu discurso puritano numa estética mais atual e apelativa, e atinge um público mais vasto. Estamos falando daquelas mulheres que não são mórmons (tanto Lucky Blue como a sua esposa praticam esta religião), que não defendem uma ideologia conservadora, mas passam muito tempo nas redes sociais.

Movimento Tradwives

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por nara (@naraaziza)

Nara Aziza pode não ser a mulher que você deseja ser (esposa e mãe), mas pode te vender uma vida onde fazer uma torta de merengue é seu principal objetivo sem você perceber. A paz, a beleza e a perfeição que as suas contas nas redes sociais transmitem são a melhor propaganda para um movimento que precisava precisamente disso: embaixadoras modernas para limpar aquela camada de pó rançoso que a mensagem conservadora sempre carregou consigo.

Claro, Nara se permite certas licenças, como “trabalhar”. Na sua vida perfeita como dona de casa, esposa e mãe há espaço para inúmeras colaborações remuneradas com marcas como Calvin Klein, o que confirma que este tipo de mulheres modernas não estão dispostas a abdicar de um dos pilares da luta pela igualdade: a independência econômica.

Influenciadoras desse movimento

A mesma coisa acontece com Hannah Neelema. A sua conta Ballerina Farm é uma espécie de álbum idílico em que esta mãe de sete filhos passa o tempo cozinhando receitas tradicionais feitas com fornos antigos e outros utensílios do passado, enquanto os seus pequenos correm e até participam na confecção das receitas.

O cenário, claro, é um sonho: um fabuloso rancho onde a família Neeleman convive com cabras, ovelhas, cães e gatos, e onde dirige, aliás, um lucrativo negócio de venda de carnes e outros produtos feitos justamente ali, em Ballerina.

Hannah, cujo discurso envolve a defesa do trabalho das mulheres como esposas e mães, também é uma empresária e modelo de sucesso (há alguns meses representou os Estados Unidos no concurso Miss Mundo). Ou seja, ela tem uma vida separada, embora insista em divulgar a versão conservadora de seu discurso devido a uma sábia decisão de marketing. Se você vende que é tradwife, tem que ser consistente e não cair em contradições.

A estética praticada por Hannah, como é o caso de Nara, é muito mais atual e de fato compartilha muitos elementos com outros influenciadores que não praticam a doutrina tradwife, mas deixaram a cidade para viver uma vida tranquila no campo, onde é claro, Elas continuam tentando vender produtos para seus seguidores.

Hannah não usa vestidos justos como as clássicas tradwives (só quando tem que ir a concursos de beleza), ela prefere jeans, saias de tecidos nobres, aventais feitos por ela mesma e outras peças de estilo country que se inspiram em outra tendência muito atual: o cottagecore .

Claro que, entre toalhas de linho e potes de leite recém-ordenhado (por ela, claro), Hannah também defende o parto domiciliar e até mostra um de sua autoria, o do sétimo filho. Uma mistura de ideologia e dinâmica consumista que atinge o seu perigoso objetivo: doutrinar gerações de mulheres que só queriam se divertir no Instagram.

Seja por vivermos em tempos incertos (que não são incertos) ou pela mentira que ainda se esconde por trás da emancipação das mulheres, o movimento Tradwives espalha-se lenta mas seguramente. Sua mensagem está penetrando inesperadamente nas mentes de milhões de mulheres que se sentem traídas e estão pensando em jogar a toalha.

A sua estética conquistou também aqueles que nem sequer tinham pensado em tal vida e não reconhecem a carga ideológica que está por detrás dela. Resta apenas esperar e confiar. E lembre-se de vez em quando das mãos trêmulas de Betty Draper e da importância de ter, como diria Virginia Woolf, um quarto só seu.




Você também vai gostar

Comente com o seu perfil do Facebook:

Sem Comentários

Comentários

PERFUMES BOTICÁRIO QUE MAIS FIXAM NO CORPO